sábado, 6 de junho de 2009

Viva Zapátria - Sirlan


Acompanhado por Flavio Venturini nos teclados e Beto Guedes no baixo, Sirlan defendeu Viva Zapátria (Sirlan e Murilo Antunes) e foi aclamado pela platéia do Maracanãzinho, durante o VII FIC, em 1972.
Dias antes, a dupla havia sido "convidada" a explicar perante à Censura Federal, a razão daquele título mas, acabou convencendo aos censores de que a inspiração havia sido um filme realizado em 1952, que possuia o nome "Viva Zapata".
Considerado uma das grandes revelações do festival, Sirlan obteve para a canção, apenas uma menção honrosa .


Esse meu sangue fervendo de amor
Aterrisam falcões, onde estou?
Carabinas, sorriso, onde estou?
Um compromisso a sirene chamou
Duplicatas, meu senso de humor
Se perdeu na cidade onde estou.
Viva Zapátria, saudou esse meu senhor
Beijos, abraços, ano um chegou
Salve Zapátria, ê, viva Zapátria, ê
Esta cidade foi uma herança só.
Viva Zapátria, saudando o senhor
Horizonte aberto onde estou
Esta América mãe onde estou."




Clique aqui para baixar

15 comentários:

Dan disse...

Grande postagem, uma das musicas mais bonitas que já ouvi. Parabéns pela lembrança.
Por onde anda Sirlan?

Marcia Weber disse...

Pouco se sabe do Sirlan além de que após ter várias músicas censuradas depois do festival, não lançou LP que pretendia. Em 1979, foi lançado "Profissão de Fé" e depois disso, nada se fala sobre êle...

Anônimo disse...

Parabéns pela memória! Sirlan, uma das vozes mais lindas que já ouvi. Os anos 70 foram mágicos. Se vce um dia encontrá-lo e puder entrevistá-lo em seu blog, será genial. abs

Anônimo disse...

fala-se muito da censura feroz contra chico buarque, muito pior fizeram com sirlan, vendo que haviam sido enganados no festival, passaram a censurar tudo que ele mandava, com isto ele não conseguiu gravar nada a não ser anos depois em 79 quando ninguém se lembrava mais quem era sirlan, o disco não aconteceu e a carreira de um grande cantor e compositor foi destruida pela censura.

Simplesmente Malu! disse...

Olá Marcia,

Amei o seu blog que descobri por um acaso.
Convido-a a visitar o meu blog quando puder e ficarei super feliz!
Bjs.

Malu Monte.

Cacá disse...

Obrigado por esse presente maravilhoso! Abraços. Paz e bem.

Toninhobira disse...

Quando ouço esta musica,há uma revolução em meus sentimentos.Bem como todas as musicas do Sirlan, e fico a gritar pela ruas,como pode um cabeça desta sumir?
Parabens e pela postagem e ,manter viva estas cabeças pensantes.

mattson disse...

Agora lendo todas estas materias e que penso o quanto eu fui um alienado e nao entendia nada do que passava na epoca.....agora faz tudo sentido

Paulo disse...

todo material do sirlan é mto raro, sobre tudo suas primeiras gravações, pra quem pesquisa esse tipo de música de protesto, sabe, que viva zápatria, é sem dúvidas, um hino! E que não merece estar renagada, como hj se encontra, acessivel à pouquissimos interessados!!
Ontem tive o prazer de encontrar em um sebo, esse rarissimo compacto de 1972 lançado pela som livre, no qual, lado A é a música em questã e o lado B é a "Heroi", que alias, é outra pérola!!

Amigos, um belo domingo, e um forte abraço!

joãomar disse...

Tenho o LP Profissão de fé do grande cantor Sirlan.
Ouvi muito na época do lançamento(79)e ouço até hoje,é uma obra que o tempo não apaga nunca.

Anônimo disse...

Sirlan: compositor, cantor Das Gerais e do Brasil! Cadê?

Anônimo disse...

Alguem sabe o que aconteceu a ele?

HIldebrando disse...

Antológica. Lembro-me dela tocando no rádio à exaustão. Sirlam, meu vizinho, traduziu musicalmente o clima reinante naqueles anos setenta de maneira dramática: uma angústia pairando no ar. Tons diminutos inicialmente, que se resolvem maiores, suavemente ufanistas, anunciando uma aurora esperançosa afinal. Letra genial de Murilo Antunes. Parabéns pelo arranjo e execução. Salve Zapátria,ê!

HIldebrando disse...

Antológica. Lembro-me dela tocando no rádio à exaustão. Sirlam, meu vizinho, traduziu musicalmente o clima reinante naqueles anos setenta de maneira dramática: uma angústia pairando no ar. Tons diminutos inicialmente, que se resolvem maiores, suavemente ufanistas, anunciando uma aurora esperançosa afinal. Letra genial de Murilo Antunes. Parabéns pelo arranjo e execução. Salve Zapátria,ê!

gilson disse...

Sem palavras pra agradecer.
Os comentários são também preciosos.
Parabéns a todos.